Outubro 21, 2014, 02:06:06 pm

Autor Tópico: Juros Abusivos!!! Alguem ja recorreu?  (Lida 28834 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline G u s t a v o

  • Pilotando na boa
  • ***
  • Mensagens: 181
  • Sexo: Masculino
  • Curitiba - Pr
Juros Abusivos!!! Alguem ja recorreu?
« Online: Janeiro 21, 2010, 02:36:35 am »
Então pessoal, a tempos eu venho vendo anuncios nos jornais, revistas e internet sobre o juros abusivos de financiamentos...

Nesses anuncios eles prometem reduzir de 30 a 40% do valor da parcela, podendo tambem rever os carnes ja quitados, que se for comprovado juros abusivo no financiamento a financeira tera que devolver o valor com juros e correcao monetaria...

Entao la vai a pergunta, alguem ja foi atraz disso ou conhece alguem que ja reviu esses calculos? Sera que realmente existe isso? Vale a pena?


3ª:. Cadeira de Rodas
2ª:. NX4 Falcon Azul 2006 (PT 22/07/2012)
1ª:. CG TITAN 150 ESD 2006 Preta(62.000 Km)

Offline Quimelli

  • Ironbutt do FOL
  • ******
  • Mensagens: 5.301
  • Sexo: Masculino
  • Curitiba-Pr
Re: Juros Abusivos!!! Alguem ja recorreu?
« Resposta #1 Online: Janeiro 21, 2010, 03:04:59 am »
Dae Gustavo.. eu..
Seguinte em dezembro de 2006 comprei uma saveiro, conforme anuncio, juros de 0,99% ao mes e mais nada!...
Até ai beleza..
Minha surpresa qdo veio o carnê... nao era bem o valor q eu tinha combinado, mas como era uma diferença pequena deixei quieto..
Dae vendo uns anuncios.. tb me chamou a atenção nisso, foi então q conversei com um advogado amigo meu...
e pasme, juro de 0,99% am na verdade é 1,92% am...
Como até hoje estou esperando a cópia do contrato do financiamento vir pelo correio, coisa que a FINASA nao fez ainda,
foi pedido via judicial, dae sim mandaram, literalmente fui ludibriado, até pq, qdo fui comprar o carro, dei um valor X de entrada, e
no contrato está 30% do valor.. como na época por sorte peguei uma nota da loja com o valor da entrada e guardei a propaganda do finan
onde diz 0,99%a.m. resolvi entrar com a ação.. por ora suspensa, pq, seu entrar com juros abusivos é revisto todo o contrato e para não haver
maiores complicações, geralmente pede-se a suspensão de pagamento ou depósito em juizo, acarretando o bloqueio do bem, como estou interessado em vender o carro, para mim não é lucro ter ele bloqueado agora faltando poucas prestações.. Em resumo, isso funciona sim, há redução em juros, as empresas alegam n fatores e conseguem a redução principalmente nos contratos de mais de um ano atras, onde, valores de juros não eram esclarecidos em contrato, não se mostrava nunca para o cliente a famosa TAXA DE RETORNO, dentre outras, hoje isso tem que estar bem claro e legível para quem vai assinar o contrato...
Eu, sinceramente após a quitação entro com duas ações distintas contra a FINASA.
Uma pelos juros (que é facil de ganhar e pelos calculos do advogado o ressarcimento me paga metade do valor do meu carro)
e outra contra uma finaceira da propria finasa (leia-se Bradesco) que qdo atrasei umas parcelas, teve mais de 30% de juros em 50 dias.. realmente um abuso mesmo..
Nao vou ganhar, vou apenas pegar de volta o que por direito já era meu e pegaram sem eu saber!
quando leio "minha turma, meu grupo!"
imagino noooooossa possessiva ela heim!


Offline Everton

  • Pilotando na boa
  • ***
  • Mensagens: 200
  • Sexo: Masculino
Re: Juros Abusivos!!! Alguem ja recorreu?
« Resposta #2 Online: Janeiro 21, 2010, 03:09:32 am »
Meu irmão comprou uma YBR, depois de receber a moto pediu uma revisão de contrato e de juros... a prestação caiu de R$ 180,00 pra menos de  R$ 100,00.
Existe uma lei que regulamenta a cobrança de juros, mas as finaceiras não respeitam... isso e Brasil...

Offline Everton

  • Pilotando na boa
  • ***
  • Mensagens: 200
  • Sexo: Masculino
Re: Juros Abusivos!!! Alguem ja recorreu?
« Resposta #3 Online: Janeiro 21, 2010, 03:11:34 am »
Retirei esse texto do Motonline, muito bom... :thumleft: figh/
Após os textos dos colunistas M. Barthô e Paulo Couto tratando do tema “crise”, senti-me instigado a dar o ponto de vista jurídico-sociológico da questão que está por trás da crise: “o crédito bancário e seus juros”.

Hoje (21/01/2009) na imprensa nacional, especialmente, nos jornais de maior circulação no país –“Folha de São Paulo” e “O Estado de São Paulo”, foram vinculadas matérias onde o Presidente Lula pede ao Presidente do Banco Central do Brasil – Henrique Meireles a queda do juros. Todavia, o Presidente da República foi alertado que o problema não está só na taxa de juros, mas no SPREAD cobrado pelos bancos privados.

Infelizmente, o cidadão brasileiro não sabe, mas o SPREAD brasileiro é o mais alto do mundo, é o mais alto, não devido à inadimplência, mas pela voracidade dos banqueiros tupiniquins. Aliás, a inadimplência é alta, devido ao SPREAD que é exorbitante.

Para quem não sabe, SPREAD é a diferença da taxa de captação para a taxa de financiamento. Em tese, se a instituição financeira capta recursos com taxa de 1% (um por cento) por força de lei, só poderia emprestar a uma taxa de 1,20%¨(um ponto vinte percentual).

Como cheguei a essa conclusão?

Simples: Lei 4595/64 (conhecida como Lei da Reforma Bancária); Decreto-Lei 22.626/33 (Lei da Usura) e Lei 1521/51 (Lei dos Crimes contra Economia Popular).

Na Lei 4595/64, no seu parágrafo 4º, inciso IX, está prescrito que compete ao Conselho Monetário Nacional limitar a taxa de juros. Aqui cabe uma ressalva: não confundam a Taxa Selic com a taxa de juros do mercado. A Taxa Selic é usada pelo Sistema Financeiro Nacional por puro casuísmo. Para ficar claro o que estou afirmando exemplifico: O Governo Federal para financiar a dívida pública precisa de dinheiro, quem empresta são os bancos nacionais, estrangeiros e especuladores de todo mundo. Então, com a taxa Selic o Governo Federal informa toda essa gente que remunera pela Taxa Selic quem lhe emprestar dinheiro. E parece que o Sr. Henrique Meireles quando afirma ao Chefe do Governo Federal que o problema não é a taxa de juros, mas o SPREAD, utiliza essa linha de raciocínio.

Já na Lei da Usura – Dec. 22626/33 define como ilegal a cobrança de juros acima de 12% ano ou a cobrança exorbitante que ponha em perigo o patrimônio pessoal, a estabilidade econômica e sobrevivência pessoal do tomador de empréstimo. Nestes casos o emprestador é denominado agiota, bem como, a cobrança de juros sobre juros, mas conhecida como anatocismo ou capitalização de juros.

E a Lei 1521/51 tipifica, no seu parágrafo 4º, letra “b”, como crime de usura a cobrança de juros que ultrapasse em 20% o SPREAD. Em outras palavras, esta Lei limita o SPREAD bancário em 20% (vinte porcento).

Onde quero chegar com tudo isso?

A crise mundial começou nos Estados Unidos porque na Bolsa de Valores de todo mundo, são negociados papéis que nem sempre estão com lastro na riqueza, ou seja, dão um valor e especuladores e investidores assumem o risco e compra o papel. Foi o que aconteceu com a bolha imobiliária norte-americana, onde os papeis estavão muito além do seu real valor, gerando a quebradeira, quando investidores resolveram resgatar seus títulos, diante da inadimplência no setor.

Aí vem uma questão interessante, se os investidores descofiaram dos balanços das empresas, gerando toda tensão de desconfiança e tirando seu dinheiro das bolsas de valores de todo mundo, para onde foi o dinheiro?

Para os bancos, por meio de aplicações mais conservadoras.

O Governo brasileiro, no início falou que a crise não chegaria ao Brasil. Aqui há duas vertentes: a) o Presidente Lula sabia que o mercado de bolsa de valores não deveria atingir os bancos brasileiros, apostando no patriotismo dos banqueiros nacionais; b) o Governo não sabia o que estava falando.

Fico com o alternativa “a”, todavia, com uma ressalva: mais uma vez os banqueiros não foram patriotas.

Mas a crise chegou e abalou!

Se o Banco Central do Brasil exigisse dos bancos privados o cumprimento da lei, muito provavelmente, não estaríamos aqui discutindo esse assunto. Todavia, o BACEN cumpriu com sua parte, desonerando os bancos, quando reduziu o percentual do empréstimo compulsório. Hoje (21/01) segundo dados do BACEN há no mercado R$ 103.286.314.538,51 (cento e três bilhões, duzentos e oitenta e seis milhões, trezentos e quatorze mil, quinhentos e trinta e oito reais e cinqüenta e um centavos) circulando. (fonte:BACEN)

Pior é um Poder Judiciário que não aplica a lei como se deve. Não é de hoje que advogados e juristas afirmam que existe um sistema judicial para os banqueiros e parte da elitre brasileira e outro sistema judicial para o resto da população. Parece que o Poder Judiciário tem medo de quebrar o sistema nacional financeiro e usa essa “desculpa” para não aplicar as leis acima mencionadas. Todavia, não há o mesmo receio em sangrar o empresário que é essencial a cadeia produtiva, que gera emprego, que paga altos impostos para manter um funcionário na CLT.

Quando você leitor faz uma aplicação numa instituição financeira, nos dias de hoje, sua remuneração em CDB, considerada uma aplicação que paga  pouco mais que a poupança, é de 1% ao mês.O banqueiro pega esse dinheiro e empresta a juros que todo mundo já sabe.  Mas a questão não é só a taxa de juros, mas o anatocismo ou a cobrança de juros sobre juros. Nessa brincadeira, a taxa de juros pactuada num finaciamento em 2% (dois porcento) salta para mais de 4% (porcento) devido a cobrança de juros sobre juros. Com um detalhe: artificiosamente, ou seja, sem o consumidor perceber, utilizando o que as classes jurídica e economica chamam de engenharia financeira.

Aqui, devemos excluir os bancos de montadoras, cujo objetivo é fomentar a produção da sua marca, quer com aporte próprio de capital, quer com empréstimos junto a outras instituições financeiras privadas e públicas, como BNDES.

Não é difícil concluir, que os banqueiros são os grandes responsáveis pela estagnação economica porqual passa o Brasil no presente. São os grandes responsáveis pela desaceleração do crescimento. São os grandes responsáveis por você leitor que é do setor de duas rodas e já perdeu seu emprego ou ainda vai perder.

Os banqueiros, como sempre, viram possibilidade de ganhar mais dinheiro e cortaram o crédito, para aumentar a taxa de juros. A pergunta que não quer calar: Por quê? Se os recursos captados, na sua maior parte, pelos bancos nacionais se dão com depósitos dos correntistas brasileiros pessoas físicas e jurídicas e não com captação no exterior. (fonte: bacen)

O Governo brasileiro, especialmente, Presidente da República e Ministro da Fazenda estão demorando para tomar medidas para fazer frente ao conservadorismo dos banqueiros privados, para não utilizar de outros adjetivos. Porque um Governo, tendo um Banco do Brasil e uma Caixa Economica Federal não poderia deixar a economia desacelerar como aconteceu no final de 2008, especialmente, no setor de duas rodas e setor automotivo. Cabe lembrar que a SUFRAMA divulgou que o setor de duas rodas em 2008, chegou na cifra de US$ 7.337 bilhões de faturamento, ou 30,77% a mais em relação ao mesmo período de 2007ocupando a segunda posição em faturamento, de um total de US$ 28,573 bilhões.

Se o Banco do Brasil tivesse mantido uma linha de crédito para fomentar a economia, “o patriotismo” falaria mais alto e os banqueiros não perderiam tempo em segurar recursos como fizeram, muito pelo contrário, continuariam emprestado dinheiro.

Mas, fazer o quê? Será letra morta o artigo 192, da Constituição Federal, que determina: “O sistema financeiro nacional, estruturado de forma a promover o desenvolvimento equilibrado do País e a servir aos interesses da coletividade, em todas as partes que o compõem, (...)” ?


Offline Konishi

  • Ironbutt do FOL
  • ******
  • Mensagens: 7.107
  • Sexo: Masculino
  • Araraquara SP
Re: Juros Abusivos!!! Alguem ja recorreu?
« Resposta #4 Online: Janeiro 21, 2010, 04:04:09 am »
Olá Gustavo. Nao importa tanto o quanto voce ganha, mas sim o que voce gasta. Financiamentos quase sempre sao uma armadilha com juros elevados. Ë que a maioria das pessoas faz financiamento pensando na prestacao que pode poderia pagar e nao nos juros reais que estaria pagando. Ë por isso que se voce for ver bem, a maioria dos financiamentos de veiculos  corresponde a 200% ou mais do valor emprestado. Essa é a realidade.

Toda financeira tem uma tabela de juros variavel. E nem sempre sao justos. É algo como fator de risco do emprestimo, e em outras palavras, quanto mais desesperado voce estiver pelo financiamento, mais irá pagar por ele.

Quanto à sua pergunta, existem sim varios profissionais que se dedicam à analisar contratos de financiamento e detectar abusos como cobranças ilegais de juros .

Geralmente a gente deve desconfiar de anuncios de jornais e na Internet de pessoas que dizem tirar o seu nome do Serasa, oferecer serviços em geral , a nao ser que sejam realmente profissionais credenciados e sérios. Eu preferiria recorrer à um escritorio de advocacia já estabelescido para nao correr riscos com anuncios desconhecidos.

Fui procurar no site Jus navegandi e encontrei o seguinte:

Marcos Canavezzi
17/02/2009 16:24
Olá

O que é pedido na maioria das ações com relação ao juros:

- recalculo dos juros já que a capitalização mensal é proíbida;
- aplicação do CDC nos contratos bancários;
- substituição da TR por índice de correção monetária já que, a TR é uma taxa de juros;
- comissão de permanência cumulada com taxa de juros.

Costumo fazer os cálculos para expurgo de juros sobre juros ou juros capitalizados mensalmente. Do ponto de vista matemático tenho a dizer que qualquer cálculo exponencial usado para contar juros, implica necessariamente em juros sobre juros ou capitalização. Isso vale para a tabela price, sacre ou qualquer outra invencionice financeira.

Se alguém faz um empréstimo ou financia um bem com pagamentos mensais de juros com base em fórmulas exponciais, estará pagando juros capitalizados mensalmente. De acordo com a Lei da Usura isto é proibido.


Marcos Antonio Ferreira Bueno
13/02/2009 22:07
Boa noite.
Com relação as dúvidas postas à discussão neste tópico, verifico que a maioria pretende obter informação a respeito de que os juros que estão pagando em seus financiamentos estão ou não capitalizados e se esta capitalização é permitida ou não e, em não sendo permitida a possibilidade de obter-se a sua redução.

De qualquer forma, e para qualquer espécie de questionamento ou verificação a respeito do tema, é preciso e imprescindível estar na posse do contrato do empréstimo fornecido pelo Banco ou pela Financeira. Sem ele, fica muito difícil de analisar qualquer coisa.

Se o consulente não possuir o contrato deve providenciar a sua obtenção, pois a entrega dele ao cliente é obrigação dos bancos e da financeira. Entretanto para evitar possíveis questionamentos, judiciais ou não, os bancos e as financeiras não fazerm, via de regra, a entrega voluntária de tais contratos. De qualquer forma, o cliente deve obter esse contrato e a entrega é obrigação da financeira.

Normalmente após o cliente fazer o pedido, eles o entregam num prazo que varia em até 30 dias - na expectativa que o cliente esqueça.

Na verdade a questão dos juros remuneratórios, como são chamados os juros que incidem sobre o capital emprestado, é bastante tormentosa no Direito Brasileiro.

Em se tratanto de financiamento de veículos estes são fixados, desde logo, no contrato que foi assinado com o banco ou a financeira.

Se o empréstimo fosse efetuado por uma pessoa física (pobre mortal) ou uma empresa que não seja instituição financeira (banco ou financeira), os juros remuneratórios não poderiam ser superiores a 1% (um por cento) ao mês.

Porém em se tratando de instituição financeira, os juros não são limitados a qualquer patamar. A única restrição ou parâmetro é se esses juros estiverem muito acima do percentual médio praticado pelo mercado financeiro para aquele tipo de produto ou empréstimo.

Portanto, quando se vai discutir judicialmente algum contrato visando a redução dos juros remuneratórios é preciso atentar para esse detalha, ou seja, se os juros cobrados naquele contrato para aquele produto está acima da média do mercado financeiro. Se o percentual estiver dentro da média praticada pelo mercado financeiro, não há o que fazer. Juiz algum irá mandar reduzir.

No entanto, como em Direito nada é definitivo, em alguns casos é possível obter revisão do percentual de juros p. ex., quando o negócio jurídico for efetuado sem que haja contrato escrito entre as partes ou o Banco o extraviou e não apresentou nos autos. São casos especiais e específicos.

Já a questão da capitalização dos juros, a questão comporta algumas considerações.

Tendo em mãos o contrato de financiamento, basta encontrar a cláusula ou o item que fala dos juros. Lá normalmente o cliente encontrará descriminado a taxa de juros mensal e a taxa efetiva anual.

Se a taxa de juros mensal multiplicada por 12 (doze meses) resultar num percentual menor que aquele que estiver indicado como taxa efetiva anual é porque os juros estão capitalizados. Isso é líquido e certo.

Obtida essa informação, vc já tem condições de saber se os juros estão ou não capitalizados. A regra, nesses contratos, é de que os juros estejam capitalizados.

Após isso, deve ser lido com toda a atenção possível todas as cláusulas do contrato e procurar saber se entre elas existe alguma que permita que os juros remuneratórios cobrados no empréstimo seja capitalizado.

E isto porque a partir da edição 03/2OOO, por obra e arte de uma Medida Provisória, foi permitida a capitalização de juros com periodicidade inferior a um ano desde que devidamente contratada. Por isso a cautela de verificar se o contrato permite essa capitalização.

Muitos contratos que analiseis, na verdade a maioria, não permitem essa capitalização e, nesse caso, o pedido de revisão contratual é perfeitamente plausível.

No caso do contrato que já findou, os juros cobrados a mais por conta da capitalização devem ser devolvidos, observados os cuidados antes citados, bem como deve ser requerida a devolução dos valores pagos por conta da emissão do boleto bancário, a taxa de abertura de crédito (TAC), eventuais juros moratórios - estes devidos em razão do atraso no pagamento das parcelas - em percentual superior a 1% (um por cento) a mês, tarifas de cobranças não contratadas, e etc...

Cada caso comporta uma solução.

Identicamente se o contrato ainda estiver sendo cumprido pode ser proposta ação revisional, buscando obter a exclusão da capitalização dos juros, da cobrança da taxa de emissão do boleto, a exclusão ou compensação da TAC paga, porém, é preciso que as parcelas continuem sendo pagas.

Demontra boa fé e disposição de cumprir o contrato, aquele que ingressa com ação revisional e continua cumprindo a avença.

Essa afirmação deve ser feita porque o fato de se propor ação revisional do contrato não impede que a financeira ou o banco requeira busca e apreensão do bem alienado fiduciariamente, porque o objetivo da ação revisional é solucionar uma crise de direito e não crise financeira ou econômica.

Assim se a pessoa propõe uma ação revisional buscando reduzir o valor das parcelas mediante a exclusão da capitalização dos juros e demais encargos não contratados e não pagar as parcelas do financiamento, poderá ser surpreendido com um Oficial de Justiça fazendo a apreensão do veículo, apesar da revisional.

Identico raciocínio, quando ao cabimento da ação revisional, aplica-se aos casos de cartão de crédito, conta corrente, títulos descontados e etc...

Em se tratanto, entretanto, de crédito rural, comercial ou industrial a questão comporta outros questionamentos pois nesses casos existe legislação própria e específica para cada caso.

Espero ter, de alguma forma, ajudado aqueles que procuram informações a respeito de como identificar a existência ou não de juros capitalizados em seus contratos, pois sei que essa informação - ainda que de fácil constatação - não é compartilhada e permanece como mistério para muitas pessoas.

Saudações
Marcos A F Bueno mbadvogado@uol.com.br

Greferson Crispim
31/01/2008 08:52
Antes de mover qualquer ação neste sentido é preciso prestar muita atenção se os juros aplicados realmente são abusivos.
Para isso você pode entrar em contato com a instituição financeira onde tem o financiamento, e perguntar qual o valor total financiado e a taxa de juros anual. Aconselho a pegar o valor total financiado pois, se você pegar a taxa anual e calcular sobre o valor do bem que você financiou não vai bater, pois existem outras taxas que são inclusas no financiamento como por exemplo o IOF (Impostos sobre operações financeira) e TAC (Taxa de Abertura de Credito) ex. Se você financiou um veículo no valor de 13.800 você vai pagar uma média de 200,00 reais de IOF e TAC de 500,00 reais dependendo a instituição, desta forma você não vai calcular o valor da prestação sobre o valor do bem (13.800) pois além do bem você financiou também o IOF e a TAC, totalizando nesse exemplo (14.500) muita gente pega o juros aplicado pelo banco e faz o calculo sobre o valor financiado que obviamente não vai bater e acredita que seu juros é abusivo, ou que o banco está lhe roubando.
Bom mas para saber realmente se o juros é abusivo você deve entrar no site do banco central e pegar a taxa de juros permitida para a data que fez o financiamento, para operações de crédito onde o valor da parcela é fixa, que é o mais comum, você deve procurar por (TAXA DE JUROS DAS OPERAÇÕES ATIVAS - JUROS PREFIXADOS) no site do BC, e compará-la com a taxa que o banco aplicou no seu financiamento, se a taxa aplicada for mais alta que a permitida realmente o juros é abusivo, se não for não adianta chorar, você pode até conseguir pagar menos em juizo tirar seu nome dos sistemas de proteção ao crédito mais ao término do processo, terá de pagar todo o juros que não era abusivo capitalizado mais os honorários do advogado da instituição mais as custas judiciais, além do seu próprio advogado.
Existem centenas de escritórios espalhados pelo Brasil oferecendo serviços para excluir ou evitar a inclusão de nomes no cadastro do SPC e SERASA. Haja o que houver – financiamentos empréstimos bancários, cartões de créditos, etc. – tudo é motivo para se entrar com um processo de revisão de juros.
Porém poucas pessoas sabem que existe um sistema diretamente ligado ao Banco Central do Brasil, denominado SISBACEN, que aponta todas as dividas vencidas de clientes do sistema financeiro. E Quem entra com um processo de revisão de juros, mesmo estando com o nome limpo fica negativado nesse banco de dados.
Só para ter uma idéia da gravidade do assunto, mesmo estando com o nome limpo no SPC/SERASA, quem figura no SISBACEN, por exemplo, não consegue financiar uma casa na Caixa Economica Federal. E se a pessoas for casada em regime de comunhão total ou parcial de bens, pior, pois essas retrições támbem são extensivas ao cônjuge. Concessão de novos empréstimos como: CDC veículos, cheque especial e cartões de créditos ? Nem pensar. Verificada a dívida no sistema financeiro, nenhum banco se atreve a liberar ou renovar novos recursos financeiros.
Além do SISBACEN, os próprios sites mantidos pelos tribunais de justiça oferecem consultas para a verificação de pessoas que possuem processos ativos, inclusive os revisionais de juros. E mesmo que esta informação não seja considerada uma restrição os bancos também podem tomar ciência dos clientes que se encontram nesta situação.

Fonte:  http://forum.jus.uol.com.br/55222/
Paz e amor Bixo ! E moto na estrada !

Offline Rogério Abreu

  • Ralando as pedaleiras
  • *****
  • Mensagens: 799
  • Sexo: Masculino
  • São José do Rio Preto - SP
Re: Juros Abusivos!!! Alguem ja recorreu?
« Resposta #5 Online: Janeiro 21, 2010, 05:12:50 am »
Acho que, para resumir, é o seguinte:
Se o juro cobrado pela financeira estiver dentro do praticado pelo mercado para o produto comprado (p.ex. a taxa de juros gira entre 1,3 e 2,0% para veículos usados hoje), dificilmente se conseguirá qualquer redução. Porém se o juro do contrato estiver em 3%, p.ex., poderá haver uma redução aos patamares do mercado, tudo via ação judicial.
Atentem que existe uma prática no mercado de financiamento de veículos chamada "retorno" que é uma espécie de comissão que o vendedor ganha para intermediar o financiamento; isto não é juro e está explicitado numa planilha chamada CET (Custo Efetivo Total) que o financiado tem de vistar, juntamente com outras taxas e despesas, e não será reduzido.
Prestem atenção às liminares concedidas em alguns estados que autorizam o depósito do valor principal (financiado) sem juros, para posterior decisão em outra instância; muito cuidado, pois à frente vc poderá ter de pagar estas diferença numa eventual decisão negativa (o que acontece na mioria das vezes); acho que é o caso do colega que disse que a prestação reduziu de 180 para 100.
Um último alerta: cuidado com escritórios de advocacia inescrupulosos que vendem gato por lebre, entram com essas liminares mas não te avisam que vc perder ali na frente e ter de pagar tudo.
Quanto estas questões sobre os juros capitalizados sobre o acumulado, é uma discussão antiga e se arrasta ao longo dos tempos, desde que existe o mercado financeiro, sem solução; em princípio, todo mundo cobra os famigerados "juros sobre juros" e também remunera desta forma, como a poupança, p.ex. Acho difícil qualquer decisão judicial que contrarie esta prática que é mundial.
Enfim, tenha consciência de que financeira existe para ganhar dinheiro e elas vão procurar todas as formas de fazer isso; se não te servir, não compre, junte o $$$ e compre a vista, se tiver persistência para tanto.
Acabei não resumindo nada, só encompridei a discussão... hum.,
Em todo o caso, só justifico minhas opiniões pelo fato de ter trabalhado 10 anos em financeira de veículos e mais 12 anos em concessionárias.
Abs. Rogério. :thumleft:

Rogério Camargo de Abreu

NC700X Vermelha 2013

Offline Kikuchi

  • Ironbutt do FOL
  • ******
  • Mensagens: 1.144
  • Sexo: Masculino
  • Floripa - S/C
Re: Juros Abusivos!!! Alguem ja recorreu?
« Resposta #6 Online: Janeiro 21, 2010, 06:24:48 am »
Eu prefiro não utilizar escritórios de advocacia para isso, visto que irão cobrar por este serviço (morrendo aí seu desconto) e poderão "sujar" seu nome para uma eventual nova aquisição, pois não pouparão esforços para conseguir o desconto solicitado.

O que eu fiz: fui no Procon com o boleto e o contrato onde consta os juros do financiamento. Lá eles fizeram o cálculo para quitação, que ficou bem abaixo do que o valor passado pela financeira.

Com esse doc do Procon em mãos eu negociei com a financeira um valor que fosse bom para ambos, do qual eu fiz a quitação do bem.

Por que negocei e não exigi o valor que foi me passado pelo Procon? Porque as financeiras mantém um histórico das transações feitas, e isso poderia atrapalhar futuramente.

Anos depois fui financiar outro bem, e lá constava que já tinha sido cliente deles, que tinha sido quitado de tal forma, etc.....consegui novo financiamento sem problemas.  ,10468

Abs.
Kikuchi.
« Última modificação: Janeiro 21, 2010, 06:26:03 am por Kikuchi »
nova fase ..... novas perspectivas ....

Offline Rogério Abreu

  • Ralando as pedaleiras
  • *****
  • Mensagens: 799
  • Sexo: Masculino
  • São José do Rio Preto - SP
Re: Juros Abusivos!!! Alguem ja recorreu?
« Resposta #7 Online: Janeiro 22, 2010, 01:47:58 am »
O Kikuchi tem razão sobre o risco de ter seu nome "não recomendado" para financiamentos.
Existe um Central de Riscos do Banco Central (também conhecida por Sisbacen) onde ficam registrados os contratos liquidados "com prejuízo" pelas financeiras. Principalmente as quitações via judicial e com renegociação forçada estão lá registradas... :(

Rogério Camargo de Abreu

NC700X Vermelha 2013

Offline Konishi

  • Ironbutt do FOL
  • ******
  • Mensagens: 7.107
  • Sexo: Masculino
  • Araraquara SP
Re: Juros Abusivos!!! Alguem ja recorreu?
« Resposta #8 Online: Janeiro 22, 2010, 03:06:54 am »
Rogério, faz uns simulados pra gente com exemplos simples de como as financeiras "maquiam" esses juros compostos ilegais, e de como proceder para negociar com elas.

Pessoalmente, eu tive ( há vinte anos) problemas com um consorcio por causa de juros ( a inflaçao era de quase 80% ao mes...) e descobri que quando voce entra em negociaçao com o departamento financeiro dos bancos, o tratamento é muito melhor do que nas agencias , e o leque de opçoes é maior. É como, por exemplo, voce estar pagando 7% de juros no cheque especial e negociar com o banco um emprestimo a juros menores para resolver tal divida.

E, para voces que estao começando a vida, façam uma coisa simples: Nao gastem mais do que ganham e evitem financiamentos a longo prazo, a nao ser para a casa propria e/ou veiculo de trabalho. Financiamentos de 70 meses de veiculos, sao a maior furada, voces vao acabar nas maos das financeiras e pagarem o triplo do valor emprestado.

Guardem 15% do que ganham e invistam isso . O dinheiro faz dinheiro e é melhor por o dinheiro para trabalhar para voces do que trabalhar para ganhá-lo e perder muito com os juros e encargos financeiros.

Quem nao gostaria de ter o ultimo modelo de moto, ou de carro?

Pois é, cuidado, o seu sonho de consumo pode virar um pesadelo !!!!!!

Estou com a minha falcon 2005, funcionando muito bem, ela me leva aonde eu quero, é superresistente , de manutençao facil e barata, é economica se eu andar no limite legal de velocidade, para que vou querer uma máquina mais potente e muito mais cara????? Só para mostrar que posso ???????

Hehe, mas sonho com cada puta maquina... b.lugh
Paz e amor Bixo ! E moto na estrada !

Offline Everton

  • Pilotando na boa
  • ***
  • Mensagens: 200
  • Sexo: Masculino
Re: Juros Abusivos!!! Alguem ja recorreu?
« Resposta #9 Online: Janeiro 22, 2010, 06:47:01 am »
O Konishi falou pouco mas disse tudo!
Em microeconomia existe dois principios básicos quando se estuda o comportamento do consumidor: ele tem uma renda limitada e necessidades e/ou vontades infinitas.
Para realizar uma necessidade e/ou vontade de consumo maior que sua renda, ele adianta o "gasto" futuro, comprometendo sua renda e reduzindo o poder de consumo presente. O ideal seria poupar a renda presente para aumentar seu poder de compra futuro.
Aí eu me pergunto: o cara pensa, "ah! eu posso pagar R$ 500,00/mês, e 60 meses passa rápido". Por que não POUPAR R$ 500,00/mês e em 30 meses compra o que deseja? E por que 30 meses demoram mais que 60 para passar? :scratch: :scratch: :scratch:
So mais uma coisa.... ja finaciei veículo e tenho um apto financiado pela caixa... não estou criticando ninguem, pois a maioria da população precisa usar esse serviço finaceiro... Phoda e pagar 100% de juro no bem comprado... nos EUA o juro anual pra pessoa física e de 4,5% a.a no Brasil é de 5% a.m...
« Última modificação: Janeiro 22, 2010, 06:52:52 am por Everton »

Offline Elton (Indaia)

  • Ironbutt do FOL
  • ******
  • Mensagens: 2.451
  • Sexo: Masculino
  • Indaiatuba/SP
    • Minhas fotos
Re: Juros Abusivos!!! Alguem ja recorreu?
« Resposta #10 Online: Janeiro 22, 2010, 06:49:16 am »
O Konishi falou pouco mas disse tudo!
Em microeconomia existe dois principios básicos quando se estuda o comportamento do consumidor: ele tem uma renda limitada e necessidades e/ou vontades infinitas.
Para realizar uma necessidade e/ou vontade de consumo, ele adianta o "gasto" futuro de sua renda, reduzindo o poder de consumo presente. O ideal seria poupar a renda presente para aumentar seu poder de compra futuro.
Aí eu me pergunto: o cara pensa, "ah! eu posso pagar R$ 500,00/mês, e 60 meses passa rápido". Por que não POUPAR R$ 500,00/mês e em 30 meses compra o que deseja? E por que 30 meses demoram mais que 60 para passar? :scratch: :scratch: :scratch:

vc perguntou e respondeu: "É por que 30 meses demora mais que 60 para passar !!!"

Offline Rogério Abreu

  • Ralando as pedaleiras
  • *****
  • Mensagens: 799
  • Sexo: Masculino
  • São José do Rio Preto - SP
Re: Juros Abusivos!!! Alguem ja recorreu?
« Resposta #11 Online: Janeiro 24, 2010, 02:18:10 am »
Para usar o benefício do veículo de forma imediata, vc precisa pagar o custo...
Tudo tem dois lados: se vc tivesse $$$ sobrando, emprestaria por 60 meses sem lucro nenhum, apenas com a remuneração da inflação?
O Everton tem razão: se vc puder juntar o $$$ é melhor.
Mas lembre-se que durante este período vc não terá o bem disponível, enquanto com o financiamento vc o disponibiliza imediatamente: aí está a sedução do negócio!
Quanto aos juros, dou abaixo um exemplo da tabela que uso para financiar veículos zero km:
Financiando R$ 30.000,00 vc paga 60X de R$ 763,53 isto para financiamento integral do bem (sem entrada).
Resulta em R$ 45.811,00; não é o nº que vcs estão falando, de 200%, etc.
É preciso procurar para não pagar caro em qualquer lugar.
Outro ponto é que quanto mais velho o bem, maior o juro; motocicletas também tem juro maior, mas não chega a tanto.
Abs. E se alguém quiser um novo carro em excelentes condições, estou as ordens, porque preciso faturar, hehehe! Rogério. :thumleft:

Rogério Camargo de Abreu

NC700X Vermelha 2013